FacebookTwitterLinkedIn

Fundraising: o que é e como funciona

Se traduzirmos ao pé da letra, fundraising significa “levantamento de investimentos”. No mundo das startups, o fundraising é um dos processos fundamentais para se arrecadar montantes financeiros para os caixas das empresas.

Ao fazer um fundraising, uma startup busca investidores que acreditam em seu modelo de negócios, obtendo o dinheiro necessário para começar a operar ou expandir suas operações. 

Um dos passos fundamentais para o fundraising é a construção de um pitch de sucesso. O pitch é uma apresentação da empresa para os possíveis investidores. Apesar de parecer algo simples, existem técnicas para construí-lo. 

Pitch Day BHub

Fundraising: como funciona?

Empreendedores costumam sonhar grande e conseguem enxergar o futuro de seus sonhos. Para levantar investimentos, empreendedores precisam não apenas apresentar esse sonho, mas provar que este é viável financeiramente e pode render lucros aos investidores. 

Além do pitch, que mencionamos acima, as empresas em estágio de fundraising deverão apresentar também um arquivo de avaliação chamado valuation.

Existem diferentes modelos de se preparar um valuation, mas, basicamente, essa avaliação busca mensurar o valor atual (ou projetado) de mercado, estrutura de capital, livros financeiros, planejamentos orçamentários, perspectivas de ganhos futuros e até mesmo a equipe de colaboradores do negócio. 

Fundraising BHub Academy Pitch Day

Fundraising: primeiros passos

Ao participar de um processo de fundraising, é importante conferir quais são os métodos de valuation solicitados por cada investidor. É importante considerar a ideia de ter ajuda de especialistas na hora de preparar sua documentação. Desse modo, clique na imagem abaixo e veja como a BHub apoiou a dolado com a documentação e criação de um Data Room.

Normalmente, as rodadas de investimento seguem a ordem e os objetivos abaixo:

Fundraising - BHub Academy - Pitch Day

Seed e Pré-Seed

To seed é um verbo em inglês que significa semear. Esta é justamente a ideia das etapas de pré-seed e seed do fundraising. Estas são as primeiras rodadas de investimentos recebidas pelas startups e servem para capitalizar a operação do negócio. 

Contudo, é com o resultado deste fundraising que as empresas poderão investir em equipe, equipamentos, marketing, pesquisas de mercado e tudo o que for necessário para realizar os objetivos definidos no valuation e descritos no pitch

Os investidores que participaram do seed normalmente recebem participações nos lucros, papéis da empresa e/ou ações preferenciais. Um termo que vale a pena ser mencionado é o bootstrapping, utilizado quando os investimentos iniciais de uma startup são feitos com capital próprio. Utilizar recursos próprios no começo da operação não impede a startup de solicitar os demais tipos de funding

Series A

Em suma, depois de terem colocado em prática seus planos e dados, seus primeiros passos sozinhos, as startups e seus gestores podem sentir a necessidade de escalar as operações do negócio, atingindo mais clientes e aumentando suas receitas. 

Para que o escalonamento de operação ocorra, é possível buscar apoio financeiro através de uma rodada de investimentos, chamada Series A. 

Nesta fase, tanto os empreendedores quanto os investidores estão mais maduros. Enquanto os investidores buscam mais segurança nos investimentos, analisando os resultados alcançados com o primeiro fundraising obtido, os empreendedores já estão experientes em seus nichos de mercado, conhecendo as potencialidades de seus segmentos.

No entanto, apesar do Series A soar tentador, aqui é onde mora um dos grandes problemas das startups. Muitas das startups que receberam ‘fundraising’ nas fases de pre-seed e seed acabaram não chegando até o Series A

Desse modo, a consultoria americana CB Insight analisou as razões pelas quais as startups acabam fechando as portas, antes mesmo de atingirem o momento do Series A.

Series B e Series C 

O princípio do Series B e Series C é o mesmo do Series A: trazer mais capital para que a startup possa potencializar suas operações, expandir mercados, comprar empresas menores e concretizar os objetivos e projeções que foram colocados no documento valuation e mencionados no pitch aos investidores. 

< Fonte: distrito.me >

E agora, por onde começar?

Ademais, as diferentes fases de funding mencionadas acima são as melhores escolhas para você lançar suas ideias no mercado, expandir o tamanho de seu negócio e escalar sua operação.

Entender o que pode e deve ser feito nos diferentes momentos de sua empresa pode ser o fator chave para conseguir ou não seu próximo investimento. 

Nossa missão aqui na BHub é desburocratizar a vida do empreendedor brasileiro. Participe do Pitch Day, evento gratuito, e comece seu negócio do jeito certo. 

Últimos posts